quarta-feira, novembro 14, 2007

Aluga-se


É engraçado como de repente entrou na moda procurar uma solução para a “nova” onda de violência pela qual passa o nosso país. Uns dizem que é preciso chamar um tal capitão Nascimento. Mas, pessoalmente, prefiro a solução dada por Raul Seixas, na já esquecida década de 80 – “a solução é alugar o Brasil” e, o melhor de tudo, “nós não vamos pagar nada”.

Imagine só a manchete: “Governo aluga o país para os americanos” – no corpo do texto estariam os detalhes – “O presidente da república assinou ontem pela manhã no Palácio da Alvorada o contrato de locação das terras brasileiras, concedendo ao governo dos EUA pleno controle do território nacional”.

Uma semana depois os “Americans” entrariam com uma ação de despejo para que todos os “brasilians” deixassem o país em 72 horas com exceção dos moradores dos bairros nobres das grandes metrópoles, pois a CIA julgou muito remota a probabilidade de que esses moradores venham a assaltar os novos inquilinos.

Depois de alguns meses de guerra civil não declarada contra os traficantes, os americanos se fartariam do mandar seus filhos morrer numa guerra sem sentido e a Casa Branca acabaria ordenando a retirada gradativa das tropas alegando que o Brasil é um país habitado por bestas selvagens que comem nobres homens de nobres intenções que somente desejam levar a democracia para o terceiro mundo.

Mas antes de abandonar completamente as terras tupiniquins – posso até imaginar a cena – todos remanescentes da população dos bairros nobres das cidades pegam cada qual o seu carro e saem dirigindo por ai exibindo seus “Rolexes” sem medo de serem roubados, pois as motocicletas foram proibidas de circular. O Brasil acaba como o Iraque ou o Afeganistão, mas quem se importa?

Algum tempo depois, dois homens escondidos num abrigo antimíssil, agora a guerra está declarada, os pobres que resistiram nas favelas versus os moradores dos Jardins, um vira para o outro e pergunta:

-Que horas são?

- São 2:45 da tarde.

- Que bom que agora todo mundo pode usar o seu Rolex em paz...

Existem, é claro, outras opções para diminuir a “onda de violência” pela qual passa a nossa pátria amada, mas a maioria é clichê. Por exemplo, o governo poderia criar um sistema educacional decente, que não preze pelos números e sim pela qualidade, que permita a todos, sem distinção social, acesso à cultura, laser e aos níveis superiores de ensino.

Ou ainda, um sistema jurídico / carcerário que realmente permita a reabilitação dos condenados, pois em geral os homens e mulheres que cometem crimes são amontoados numa prisão tendo por companhia, muitas vezes, criminosos mais “experientes”, ou melhor, mais perigosos.

Sem falar que para conseguir um emprego as pessoas precisam de um “nada consta” – está estatisticamente provado que a incidência de crimes aumenta na população que já cumpriu pena. Evidentemente que o lugar de bandido é mesmo na cadeia, mas há de se pensar uma maneira para que o cidadão tenha uma chance de se regenerar.

Como disse, as outras soluções são clichês e, provavelmente, nunca serão tentadas, acho mesmo que é mais fácil alugar o Brasil.

2 comentários:

Vivi disse...

Nós não vamu pagá nada, lalalala, nós não vamu pagá nada, é tudo free. Hehehe.

Beijo, Jr.

mana_ang disse...

adorei oq vc escreveu

Eu ia fazer uma apresentação da semana da patria
(com esssa musica)e fazer meus alunos refletirem saindo do pensamento tradicinal de comemoração que todos os anos as escolas fazem.. com uma critica como a sua.... vou usar seu texto se não se importa adorei muito ....