quinta-feira, junho 19, 2008

Hatuna Matata

Quando a vida decepciona, qual é a solução?
Continue a nadar, continue a nadar, nadar, nadar, para achar a solução, continue a nadar...
... Os seus problemas, você deve esquecer. Isso é viver, é aprender.

Nada como deixar a tristeza e os problemas para traz, agora estou aliviado, e tudo voltou aos eixos...
Obrigado amigos pelo apoio e oração.

sexta-feira, junho 13, 2008

Inocente

O dicionário Michaelis define inocente da seginte maneira:
inocente => i.no.cen.te: adj (lat innocente)
1 Que não é culpado, que não cometeu culpa.
2 Que não causa mal; inofensivo.
3 Isento de malícia.
4 Singelo, ingênuo.
5 . s m+f Pessoa que tem inocência.

Aplicação numa frase:
Fui considerado pelo conselho tutelar; INOCENTE.


Bom, não preciso dizer mais nada, não é? A verdade triunfou, graças a Deus, louvor e honra a Ele para sempre, amém.

terça-feira, junho 10, 2008

(In)Justiça

Faz algum tempo, um aluno para o qual eu dou aulas, acusou-me de tê-lo agredido, dando-lhe um tapa no braço, acusou-me por ter pedido que saísse da sala. Evidentemente que isso não é a verdade, em primeiro lugar que não é de minha índole ser violento ou agressivo, em segundo lugar porque conheço a legislação e sei que é crime agredir um menor.
Entretanto o caso foi para a diretoria e, como deve ser, fui devidamente advertido pela diretora e alertado a respeito de tal conduta. Mas o aluno não satisfeito em me prejudicar na direção escolar contou aos pais sua estória e os pais procuraram a direção para saber a respeito do ocorrido. Como se não satisfizesse o ímpeto de prejudicar o próximo começou a contar outras estórias as seus pais que procuraram o conselho tutelar e fizeram a denuncia.
Ao contrário do aluno, que não pode provar que eu realmente o agredi, eu posso provar que não o fiz. A maioria dos alunos que estão na classe presenciaram o fato da suposta agressão e podem confirmar que eu jamais ataquei o aluno, bem como refutar as demais calunias levantadas contra mim, do mesmo modo o aluno ameaçou fazer a mesma coisa com outro professor, que se ofereceu prontamente a me ajudar com essa questão. Entretanto, apenas o aluno e alguns de seu grupo, que confirmaram a estória, foram ouvidos, os demais alunos, que são em número maior e confirmam a versão do professor, sequer foram procurados.
É com profundo pesar que eu digo isso nesse blog, pois sempre defendi os alunos e o ensino, mas o mal caráter de um está prejudicando uma pessoa inocente que faz seu trabalho da melhor forma possível, apesar das barreiras encontradas e de certa inexperiência.
Continuo dando aulas, inclusive para o aluno que me acusou, trato-o como os demais alunos, jamais fiz distinção entre ele e os demais dentro da sala de aula. Da porta para fora não me relaciono com ele, em primeiro lugar primeiro porque não sou obrigado a ter como amigo uma pessoa que levanta calunias contra mim e, em segundo lugar, para não dizerem que eu pressiono o aluno a contar a verdade. Ele deve dizer o que achar melhor, eu não o julgo, mas espero que Deus tenha misericórdia dele e que toque em seu coração para ver o mal que está causando.

Fica aqui meu protesto, meu desabafo e pedido de Justiça.
Peço aos amigos e leitores desse blog que orem por mim e peçam a Deus que não permita que a injustiça prevaleça, pois corro o risco de ser exonerado por essa falsa acusação. Espero que a justiça seja feita.
Obrigado